sexta-feira, 9 de maio de 2008

Adeus aos conceitos e pré-conceitos

O que faz alguém ser diferente?
Será que a cor da pele, a condição social, o credo, a opção sexual, o estilo de se vestir entre outras coisas fazem um ser-humano ser diferente do outro?
É a resposta é sim quando olhamos superfícialmente o outro, e o vemos como uma grande massa externa. Mas, olhar para outro e se permitir vê-lo como indivíduo é aceitar que ele é igual.
Mas vocês devem estar se perguntando o pq deste assunto. Pois bem...
Tenho mania de fazer compras de madrugada e acabo de voltar do mercado e me ver agindo com preconceito de um tipo que é muito natural entre a gente e não nos damos conta.
Na saída do mercado fui abordado por um homem, que surgiu quase que no meio do nada. Minha primeira reação foi me assustar, e logo de imediato pensar que seria vítima de um assalto. Era um homem negro, de aproximadamente 30 anos, angolano como ele próprio relatou ao pedir dinheiro para comprar duas latas de leite, pois acabara de sair da prisão (Sem contar que já fui vítima de um assalto por um cidadão que puxou papo se indentificando como um ex-presidiário), enfim... eu "tinha" aparentemente todos os motivos para ter medo e pré julgá-lo como ladrão, mais não tinha nenhum motivo concreto que me permitisse fazer. Eu fui preconceituoso em um primeiro momento. E menti dizendo que não tinha dinheiro quando na verdade eu tinha. Mas quando olhei novamente para o homem eu me vi nele, me enxerguei na mesma possibilidade em que ele se encontrava. Nesta hora caiu a ficha de que eu estava sendo egoísta, preconceituoso e principalmente não estava sendo sincero. Então parei e ajudei o homem, não mais o negro angolano e sim o indivíduo que é tão semelhante a mim quanto a qualquer outro.
Se permitir olhar pro lado às vezes é de uma recompensa enorme.
Me sinto feliz enquanto pessoa de poder a cada dia ganhar uma expessura de vivência maior, me sinto rico quando me vejo livre de certos conceitos e me permitindo a não ter os pré-conceitos.

3 comentários:

  1. Ola..
    Muito bOa sua reflexao sobre o preconceito..
    Nós seres humanos muitas vezes em rodas de amigos prezemos tanto o NAO ao preconceito, fazendo falas bonitas e esquecemos de apartir de nós colocar em prática e respeitar todos como sao...
    Eu faço EducaçãO fÍsica e essa questao do preconceito acontece muito na relacao corporal, porem se cada um fizer sua parte para concientizar a populaçãO aos poucos vamos mudando essa visao do mundo.

    ENtao Meu nome é fRaNcieLe sOu prima do Alexandre (Curitiba), adOrei seu texto.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Oi francielle,

    Que bom que tu tenhas gostado do texto. E sim é uma grande verdade que muitas vezes fazemos um enorme debate contra o pré-conceito e na práticas não agimos. Somos todos humanos e por isso esse tipo de julgamento nos cabe. Mas acho que é só nos concientizando e buscando a igualdade do indivíduo é que chegaremos lá. Deixando claro que esta busca pela "igualdade" é enquanto indivíduo. É fundamental que se respeite e preze pelas qualidades singulares de cada um.

    ResponderExcluir